Este site usa cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website concorda com o seu uso. Para saber mais, leia a nossa Política de Cookies.

SÁBADO    por    Cofina Boost Content

Partilhe nas Redes Sociais

“Grande parte dos problemas de visão é diagnosticada nos rastreios”

boy having eye exam with eye chart and covering one eye.

“Grande parte dos problemas de visão é diagnosticada nos rastreios”

O seu filho já fez o rastreio visual? É fundamental que a prevenção da saúde ocular seja feita desde cedo, para garantir que não há problemas que afetem a aprendizagem e o desenvolvimento.

Susana Teixeira, oftalmologista pediátrica do Hospital Cruz Vermelha, entidade parceira da Associação Montepio

“Grande parte dos problemas de visão é diagnosticada nos rastreios” | Espaço M365

Se ainda não levou as suas crianças a fazer um rastreio, está na hora de o fazer. Só assim se conseguem verificar dificuldades que podem influenciar o desenvolvimento das crianças e jovens. A oftalmologista pediátrica Susana Teixeira explica em que situações se devem realizar os rastreios, quais os sinais a que devemos estar atentos e as consequências das patologias não diagnosticadas.

Quando deve ser feita a primeira visita ao oftalmologista?

Nas crianças, o primeiro rastreio oftalmológico deve ser realizado por volta dos três anos de idade, sem nunca esquecer que o primeiro rastreio é feito pelo pediatra, ainda na maternidade e logo após o nascimento, em que se pesquisa o reflexo vermelho do fundo.

De quanto em quanto tempo é aconselhável fazer um rastreio à visão das crianças?

É aconselhável realizar um rastreio com um ano de idade, com três e, depois, com cinco/seis anos, antes de entrar na escola. A partir do momento em que entram na escola primária, as crianças já se sabem queixar e os pais e os professores já dão mais facilmente conta de pequenas dificuldades, pelo que a consulta deverá ser marcada caso haja alguma queixa. Ao realizar uma consulta oftalmológica no início do ano letivo estão a evitar-se problemas durante o ano.

O mesmo se aplica aos jovens que se encontram em fase escolar?

Deverão ser avaliados sempre que haja queixas. O rastreio é uma consulta para pesquisa de alterações. As crianças com patologias já diagnosticadas devem fazer a vigilância segundo o que o oftalmologista aconselhe de acordo com a patologia que apresentem.

É frequente haver problemas diagnosticados nos rastreios de rotina?

Sim. Grande parte dos erros refrativos nas crianças pequenas é diagnosticada nos rastreios, uma vez que as crianças ainda não se queixam.

Em média, quantas crianças fazem em Portugal uma análise regular à visão?

Já está implantado em Portugal um rastreio oftalmológico nacional, pelo que todas as crianças são rastreadas aos dois e, posteriormente, aos quatro anos de idade. Estes rastreios são realizados nos centros de saúde, por enfermeiros treinados e avaliados nos hospitais por oftalmologistas pediátricos. Neste momento, Portugal está melhor do que muitos outros países europeus em que não há rastreios nacionais institucionalizados.

As dificuldades visuais nas crianças, em Portugal, são comuns?

Felizmente, há cada vez uma maior percentagem de crianças com o diagnóstico de patologias oftálmicas detetado, cada vez mais cedo, fruto do melhor e maior acesso a serviços de saúde, mais informação e ao início do rastreio nacional.

Que tipos de anomalias visuais devem ser despistados?

Nos recém-nascidos e crianças mais pequenas, devem ser despistadas opacificações dos meios e leucocórias (reflexo branco da pupila). Em crianças a partir de um ano de idade, devem ser pesquisados, além destas, os erros refrativos (hipermetropias, miopias e astigmatismos), as anisometropias (diferença refrativa entre os dois olhos) e o estrabismo.

Qual o impacto de uma insuficiência visual na vida das crianças?

Uma dificuldade visual pode levar a um atraso no desenvolvimento da criança, quer a nível cognitivo, motor ou social. A criança que vê mal demora mais tempo a aprender, a andar e a correr, a descer escadas. Já na escola, tem mais dificuldade em fazer os trabalhos, pelo que se desinteressa facilmente pela pintura ou por grafismos, com repercussão mais tarde na leitura. Pode também dificultar a interação com os seus pares.

Quais são as consequências de uma anomalia visual não diagnosticada ou tratada incorretamente?

Pode levar ao desenvolvimento de uma ambliopia, que é basicamente a ausência de desenvolvimento da visão não recuperada por óculos ou cirurgia. A visão desenvolve-se nos primeiros oito anos de vida, em que os primeiros quatro são mais críticos. Se existe alguma patologia que dificulte a formação nítida das imagens na retina de um ou ambos os olhos, a visão não se desenvolve e surge a chamada ambliopia. Após os sete/oito anos, esta situação não é recuperável. A criança terá uma baixa de visão de um ou eventualmente ambos os olhos para o resto da vida, com repercussão sobre a aprendizagem e a interação social.

Que conselhos recomenda, tanto a pais/encarregados como alunos?

Devem fazer o rastreio aos dois e quatro anos conforme institucionalizado a nível nacional e um outro ao entrar na escola primária. Se houver patologias oftálmicas na família, as crianças devem ser vistas precocemente por um oftalmologista, que depois indicará qual a periodicidade das consultas seguintes.

Quais são os sinais/sintomas a que se deve estar especialmente atento?

Lacrimejo, fotofobia, reflexo esbranquiçado da pupila, perda de equilíbrio e dificuldades de medir distâncias e aparente défice de visão.

Que tipo de lentes são recomendadas para os óculos infantis? Que características são fundamentais?

As lentes das crianças devem ser leves e finas, com boa qualidade ótica, resistentes aos riscos e com proteção contra os UV.

PodPoupar

PodPoupar+

Um podcast que ensina tudo sobre poupanças e finanças